segunda-feira, 25 de junho de 2018

Mônaco

A partir de Nice, você uma infinidade de lugares para conhecer e um dos escolhidos e mais aguardados por mim era Mônaco.

Minha ligação com a cidade, vem da F1. Dos Domingos em que assistia aos grandes prêmios junto com meu avô e torcia para que o Airton Senna ganhasse. Mônaco sempre foi um dos circuitos mais bonitos (minha opinião pessoal) e caso um dia eu pudesse estar ali, seria fácil visitar e identificar os principais pontos da corrida por ser um circuito de rua.

Mônaco é o segundo menor país da Europa só perdendo para o Vaticano e possui pouco mais de 2 km de extensão. 

O mais comum é chegar na cidade de carro. O passeio entre Nice e Mônaco é bem bonito e passa pelas famosas corniches (estradas ao lado de montanhas) com paisagens deslumbrantes. Você pode escolher chegar a Mônaco, saindo de Nice,  por uma das três Corniches: Grande, Moyenne ou  Basse.

A Grande Corniche e a estrada mais antiga e mais alta, com uma vista maravilhosa do Mar Mediterrâneo. A estrada é bem sinuosa e passa pertinho da Riviera Italiana.

A  Basse Corniche segue até Mônaco sempre passando ao lado do mar, porém no alto verão é a estrada mais engarrafada entre as 3 opções citadas acima.

A Moyenne Corniche é a opção mais rápida e sem pedágio, porém também fica engarrafada na alta temporada.

Para os que como eu não curtem engarrafamentos e problemas para estacionar carro, outra opção é usar o trem. Em alguns trechos vemos uma paisagem de fazer nossos olhos brilharem e dá vontade de descer em todas as estações e curtir o que aquele cantinho tem para nos oferecer. Mas como o foco era Mônaco e só tínhamos um dia... 

O trem em Nice sai da estação Nice Ville, todos os dias, a cada 30 minutos e o último trem sai às 23 horas e o percurso entre Nice e Mônaco demora cerca de 20 minutos.

Eu não vou negar que esperava trens um pouco melhores. Vagões bem antigos e completamente lotados. Uma mistura de homens engravatados com um galera carregando boias para a praia. Porém como o percurso era bem rapidinho, não senti grandes problemas.




A “cidade” é composta por 4 “bairros” – Mônaco Ville, Condamine, Monte Carlo e Fontvieille. E apesar de ter apenas 2 km de extensão, não se engane, a cidade é muito íngreme e é extremamente cansativa (principalmente no verão onde o calor é surreal) com tantas subidas e descidas. Por conta disto, existem 12 elevadores espalhados pela cidade que ajuda a subir e descer de vários pontos. Não exite em usá-los. 

Logo na saída da estação de trem, tem um quiosque com informações turísticas. O aconselhável é que vc pegue o mapa e perca alguns minutinhos traçando sua rota e marcando os elevadores que vão ajudar vc nesta tarefa de percorrer a cidade.


Por esta foto dá para ver a "altura" da estação de trem


Nós acabamos indo junto com a massa que saiu do metrô e pegamos a direção errada. Em todos os blogs que li, o mais indicado é começar o passeio em Mônaco Ville que é o ponto mais elevado e mais longe. Nós fizemos justamente o caminho contrário e acabamos perdendo a troca de guarda acontece todos os dias às 11:55 horas em ponto. Fica para uma próxima oportunidade.

Nosso passeio começou descendo até Monte Carlo, quando nos deparamos com o Hotel Hermitage, o ponto preferido das celebridades que desfilam com seus carrões por ali. O hotel é ainda mais lindo e charmoso do que via durante as transmissões de corrida de F1. Praticamente ao lado,demos de cara com as famosas grifes que fazem a cabeça das milionárias: Chanel, Elie Saab, Dior, Miu Miu, Prada, Bottega Veneta, Rolex e por aí vai.









 Seguindo em frente, chegamos a tão famosa Place Du Cassino e como o próprio nome diz, é ali que fica o famoso Cassino de Monte Carlo. Só de entrar no saguão você já consegue ter uma ideia do quão luxuoso é o lugar. Belíssimo. Por 10 euros, é possível visitar o saguão e 3 salões de jogos que ficam abertos aos visitantes. Durante o dia, você pode entrar com a sua roupa de turista sem problema algum (rs.....) e só poderá guardar imagens do local na sua memória pq é proibido tirar fotos do lugar.








Ao lado, fica o Café de Paris fundado junto com Mônaco em 1868, com uma construção maravilhosa da Belle Epoque. Pensei em sentarmos ali é tomarmos um café, porém o local estava absurdamente lotado e com fila do lado de fora. Então deixamos também para uma outra oportunidade. 



Seguimos então para os jardins do Cassino (olhando de frente para o Cassino, siga para a esquerda, contornando o prédio) e ali meu coração saltou. Demos de cara com a famosa curva de Airton Senna. Foram minutos de olhares e recordações passando rapidamente pela minha cabeça, dezenas de fotos para não perder nenhum detalhe e muitos suspiros.




Fomos descendo a curva a pé e nos deparamos com mais outro ponto icônico da minha infância: O túnel onde os carros ultrapassam a 270 km/h durante a corrida. 



Tiramos algumas fotos e seguimos em direção ao ponto mais longe desta nossa primeira parte do roteiro: O monumento em homenagem a Princesa Grace. No caminho, passamos pelo The Champions Promenade que nada mais era do que uma calçada da fama com vários jogadores famosos. 








Monumento a Princesa Grace

Tiramos algumas fotos da praia e invejamos quem estava curtindo aquela água paradinha. Após tirarmos foto no monumento (que eu esperava ser maior e mais imponente), pegamos o caminho de volta em direção ao Jardim Japonês.  Um lugar muito gracinha, onde paramos para dar uma descansada debaixo de uma bela sombra, pois o dia estava muito quente.







Dali, travessamos o famoso túnel a pé e nos deparamos com o porto e seus milhares de iates incríveis ancorados. Fomos admirando (babando) todos. Nesta área você encontra muitas opções de restaurantes e bares. Se estiver na hora do almoço, é uma boa pedida.







Caminhamos até encontramos um elevador público (o primeiro que usamos até este momento do percurso por não ter encontrado nenhum outro. rssss) e enfim chegamos ao (literalmente) ponto alto do passeio: Mônaco Ville. 




A principal atração do local é o Palais Princier (Palácio do Príncipe). É possível visitar o palácio por dentro e seu museu com lembranças napoleônicas. Na época a visita custava 8 euros e era com horário agendado.









Saindo o Palácio (que possui uma vista belíssima do principado), fomos percorrendo as ruelas em direção Catedral San Nicholas. Construída em 1875 é ali onde estão enterrados os restos mortais de Grace Kelly.














Seguindo mais a frente, encontramos o Museu e Instituto Oceanográfico que dizem ser muito interessante e bonito, com 90 aquários onde se realizam diversas pesquisas. Porém, neste momento o fôlego já estava acabando e preferimos não entrar.







Fomos descendo montanha abaixo até voltamos novamente ao porto.






 Seguimos em direção a Église Saint Dévote. Ao lado desta Igreja, é possível alcançar também a estação de trem de Mônaco/Monte Carlo através de um elevador para levá-lo de novo à parte alta da cidade.




E assim terminou nosso passeio. Exaustos devido ao enorme calor e a falta de árvores e sombras pela cidade.

E aqui vai um conselho valioso: se puder evitar conhecer Mônaco fora do alto verão, dê preferência. Acredito que eu teria curtido muito mais o local e teria conhecido muito mais coisas se as temperaturas estivessem mais amenas.

Nosso roteiro através do google maps




Esta segunda parte, não é possível visualizar direito o caminho, pois o mapa não mostra o elevador. Ele traça o caminho como se tivéssemos feito tudo a pé. Mas dá para ter uma ideia geral.