segunda-feira, 19 de setembro de 2011

Portugal - Parte 1

Bom dia meninas !!!!!!!!!!

Hoje finalmente vou começar a escrever meus posts sobre Portugal e depois de quase 3 meses pós viagem, terminarei meu relato (daqui a pouco está na hora de viajar de novo e eu ainda não terminei ) (hehehehehehehehehehehe).

Nós fomos para Portugal pela TAP ... e confesso que fiquei um pouquinho decepcionada com o avião em si. Acho que para uma viagem de 10 horas, um pouquinho de conforto não faz mal para ninguém (rs.....). As poltronas até que eram confortáveis e espaçosas. Mas aquelas televisões de 1800 penduradinhas no teto do avião são super incômodas para quem quer assistir um filminho enquanto o jantar não vem ... ops ... o soninho não vem (rs...............). Sem falar que achei o avião um pouquinho mal conservado.



Falando em jantar ... não tenho absolutamente NADA para reclamar do serviço de bordo. Comida farta e muito gostosa. Sem falar que tomar um vinhozinho no jantar é excelente para me ajudar a dormir (rs..........).


Nós saímos do Rio umas 17 hs e chegamos em Lisboa às 7 hs da manhã (horário local ... aqui no Brasil, eram 2 horas da manhã).

Bem ... nosso primeiro tormento ... sim ... tivemos vários tormentos nos aeroportos ... e sinceramente ???? Confusão em aeroporto não é só por aqui não viu ?? Nunca pensei que fosse achar os serviços aeroportuários da Europa tão deficientes - pelo menos nos aeroportos pelos quais passei.

A fila para passarmos pela alfândega era simplesmente giganteeeeeeeeeeeeeeeeee ... e o mais frustrante de tudo era constatar que apenas 3 pessoas estavam ali para nos receberem ... ficamos mais de 1 hora até chegar a nossa vez e apesar da minha certa impaciência (depois de 10 horas e uma noite mal dormida), consegui ser super simpática e os funcionários por sua vez, também foram super atenciosos.



A partir daí, só tenho elogios a Portugal !!!! Nunca pensei que eu fosse encontrar uma cidade tão organizada, limpa e bonita em meio a crise econômica que eles tem vivido por lá.

Saímos do aeroporto, pegamos um táxi e rumo ao hotel !!! A idéia era deixar as malas, tomar um banho, trocar de roupa e rua. E assim fizemos.

Nosso passeio começou pela Avenida da Liberdade. Durante as minhas pesquisas, li que um dos melhores lugares para se hospedar em Lisboa era nas proximidades da Avenida da Liberdade. O nosso hotel ficava há 5 minutos a pé desta Avenida e como precisaríamos passar por ela para chegarmos a qualquer ponto turístico da cidade, nosso primeiro passeio foi por lá.





Nas extremidades da Avenida da Liberdade, estão dois marcos: A Praça dos Restauradores e na outra ponta a Praça Marquês de Pombal. No nosso caso, nós fomos “descendo” a avenida, até nos depararmos com a Praça Marquês de Pombal.

A Avenida foi construída de 1879 a 1982 no estilo dos Campos Elísios em Paris. Hoje ela é super arborizada e tornou-se num centro de cortejos, festividades e manifestações, incluindo-se um Monumento aos Mortos da Grande Guerra.


A Avenida ainda conserva a sua elegância, com fontes e esplanadas magníficas sob as árvores. Majestosa, com 90 metros de largura e pavimentos decorados com padrões abstratos, está agora dividida por dez faixas de trânsito que ligam os Restauradores à Praça do Marquês de Pombal, para o Norte.

A Avenida da Liberdade, está repleta de hotéis, lojas luxuosas e alguns dos melhores cafés, teatros e Universidades. Esta é uma das mais (se não a mais) importantes avenidas de Lisboa.

Chegando a Praça dos Restauradores...


nos deparamos com o Ascensor da Glória.




Ligando a "cidade baixa" (Praça dos Restauradores) ao emblemático Bairro Alto (paragem no Miradouro de São Pedro de Alcântara), num percurso de 265 metros, o Ascensor da Glória foi inaugurado em 24 de Outubro de 1885. Dois “bondes” realizam o percurso nos sentidos ascendente e descendente, transportando turistas e residentes, sendo este o ascensor mais movimentado de Lisboa.

Porém ao invés de subirmos para o Bairro Alto pelo Ascensor, preferimos pegar o Elevador do Carmo que fica um pouco mais a frente (uns 10 minutos de caminhada).

Após as tradicionais fotos para o registro eterno, continuamos a andar em direção a Praça do Rossio.



Um pouquinho antes de chegarmos a Praça, nos deparamos com a Estação do Rossio !!! Linda por dentro e por fora !!! De lá pode-se pegar trens para quase todos as cidades vizinhas a Lisboa.





A Praça do Rossio/Don Pedro V é onde fica a estação de trem do Rossio, o Teatro Nacional D. Maria II e o mais puro exemplar das “calçadas de copacabana”.






O Rossio fica exatamente no vale entre a Alfama e o Bairro alto e é no Bairro Alto onde podemos admirar a beleza da cidade.

Como falei anteriormente, subimos para o bairro alto pelo Elevador do Carmo também conhecido como Elevador de Santa Justa.




Chegando lá em cima, pudemos observar o Castelo de São Jorge e o Rio Tejo ao fundo. Olhando para o outro lado, nos deparamos com o Convento do Carmo, também conhecido como Teto Estrelado de Lisboa O conjunto, que já foi a principal igreja gótica da capital, e que pela sua grandeza e monumentalidade concorria com a própria Sé de Lisboa, ficou em ruínas devido ao terramoto de 1755, não tendo sido reconstruído. Constitui-se em um dos principais testemunhos da catástrofe ainda visíveis na cidade. Atualmente as ruínas abrigam o Museu Arqueológico do Carmo.




Para chegar a este monumento, só precisamos atravessar a ponte que liga o elevador, a “terra firme”, e confesso que fiquei decepcionada por não ter podido entrar (estava fechado). Pelas fotos que vi na internet ... fiquei simplesmente fascinada com tamanha beleza. Se alguém visitar o local, aproveite !!! São apenas 5 salas onde se pode ver objetos do período Paleolítico, passando por uma múmia egípcia a peças medievais. Há também uma sala que se parece uma antiga biblioteca que abriga vários painéis de azulejos.



Fotos: Arquivo Pessoal

Foto Google
Foto Google

Como já estávamos lá em cima, resolvemos ir descendo de volta ao Rossio, caminhando pelas ruas estreitas e charmosinhas do Chiado.



Para quem não sabe, o Chiado é o bairro boêmio da cidade e é lá onde você encontra vários bares e restaurantes interessantes. Durante a nossa descida, passamos pelo “A Brasileira” que é uma miniatura da Confeitaria Colombo (no Rio de Janeiro) e era o café preferido de Fernando Pessoa. Tanto que se pode encontrar uma estátua dele bem na frente do café.




Um pouquinho mais abaixo, nos deparamos com o “Armazéns do Chiado”. Em 1894 o edifício do antigo Convento da Pedreira parcialmente destruído pelo terremoto de 1755 foi transformado numa espécie de “grande loja de departamento” conhecida como “Grandes Armazéns do Chiado”. Teve o maior sucesso, mas o edifício foi destruído por um incêndio em 1988. E apenas em 1997 um novo edifício foi construído como sede desta nova concepção de compras e bem-estar. Possui 54 lojas, 12 restaurantes e 1 hotel.


A partir daí, começamos a retornar a terra firme pela Calçada do Duque, assim chamada em honra do Duque do Cadaval que tinha o seu Palácio pelas redondezas, além disso este local era eixo de ligação privilegiada entre a zona "chique" da cidade, o picadeiro das famílias distintas que se passeavam entre o miradouro de S. Pedro de Alcântara (mirante do Elevador do Carmo) e a zona boêmia do Rossio.


Fotos Arquivo Pessoal
Foto Google

De volta ao Rossio, resolvemos dar uma paradinha para almoçarmos. Já se passavam das 13 horas e a fome apertava.

Sentamos no restaurante Nicola que fica na Praça do Rossio. O marido não sei aonde, leu que este restaurante é muito tradicional em Lisboa e comer ali é considerado um programa típico lisboense ... então ... pq não aproveitar os costumes dos nossos conterrâneos ????




Após um almoço delicioso onde o marido comeu bacalhau ao Bras e eu comi churrasco a brasileira (o churrasco veio com tutu e frutas da estação ... super diferente do nosso !!!) (rs.....), fomos caminhando em direção a Rua Augusta

OBS: Enquanto almoçávamos, assistimos a vários apresentações de pessoas que paravam na frente do restaurante para apresentar a sua arte e depois “passar o chapéu”. Eu achei algumas apresentações realmente diferentes e interessantes, porém foram tantos ... que no final eu já estava me sentindo incomodada. Acho legal e válida a idéia, afinal, eles estão fazendo aquilo para sobreviver ... mas infelizmente, ajudar a todos é praticamente impossível !!!!

Voltando ... a Rua Augusta é considerada uma das mais importantes de Lisboa e tem elevada concentração de comércio e algumas lojinhas fantásticas !!!!!! Uma loja que eu super indico é a Ale-Hop ... tem coisinhas super diferentes para uso pessoal e para a casa !!! Nossa, comprei várias coisas por lá !!!! E o melhor de tudo, o preço super compensa. Desde os finais dos anos 80 a Rua Augusta e fechada ao trânsito e é frequentemente ocupada por artistas de rua, artesãos e vendedores ambulantes.

No final da Rua Augusta, encontramos o Arco da Rua Augusta ou Arco do Triunfo da Rua Augusta. A sua construção começou após o terramoto de 1755, mais concretamente em 1775, mas esta primeira versão viria a ser demolida em 1777 (após o inicio do reinado de D. Maria I e demissão do Marquês de Pombal). Em 1873 recomeça a edificação do arco segundo o projeto do arquiteto Veríssimo José da Costa que remonta a 1843/44,ficando as obras concluídas em 1875.


A partir deste arco, começa a Praça do Comércio também conhecida por Terreiro do Paço, é uma praça da Baixa de Lisboa situada junto ao rio Tejo, na zona que foi o local do palácio dos reis de Portugal durante cerca de dois séculos. É uma das maiores praças da Europa, com cerca de 36 000 m² (180m x 200m).


Da Praça do Comércio, pegamos o Eléctrico 15 que leva para Belém. A uns 6 quilômetros do centro de Lisboa, apesar de oficialmente não ser parte de Lisboa, é na verdade o coração da cidade, pois foi deste local onde tudo começou. Inclusive para quem não se lembra, foi desta região que saíram os barcos em direção ao nosso descobrimento.



Dica 1: Para pagar a sua passagem nos Eléctricos, tenha dinheiro trocado em mãos. O pagamento é efetuado por máquinas dentro do bonde elas não dão troco. Quando eu fui a passagem custava 1,40 euros.

Dica 2: Na hora de saltar do Eléctrico, busque ao ponto mais longe e volte caminhando. As distâncias por ali são relativamente grandes. Nós resolvemos começar o passeio pela Torre de Belém, porém saltar no ponto “Torre de Belém” foi uma furada !!! Ele fica muitoooooooooooo longe da Torre de Belém !!!!!

Como falei ... erroneamente, saltamos no ponto Torre de Belém. E nossa primeira parada foi o Mosteiro dos Jerônimos.

O Mosteiro dos Jerônimos é um mosteiro manuelino, testemunho monumental da riqueza dos Descobrimentos portugueses. Construído em 1502, parcialmente destruído no terremoto de 1755 e depois reconstruído. Dentro estão sepultados dois ilustres portugueses : O poeta Luiz de Camões e o explorador Vasco da Gama.






Em frente ao Mosteiro tem uma praça muito bonita chamada Praça do Império. Nesta praça, existe uma passagem subterrânea que leva até o Monumento aos Descobridores, popularmente conhecido como Padrão dos Descobrimentos. Em posição destacada na margem direita do Rio Tejo, foi inaugurado em 1960, em comemoração aos 500 anos da morte do Infante D. Henrique e homenageia os grandes heróis da era de ouro do Império Português.





Do monumento, prepare-se para uma bela caminhada até a Torre de Belém (por isto falei que o melhor é começar da Torre). Se nós estivéssemos em uma dia fresco e sem ter passado uma noite “deliciosa” dentro de um avião, talvez eu não tivesse tão exausta ao chegar na Torre. Como estava um calor terrível e sem vento ... caminhar no sol não me fez nada bem ... comecei a inchar e a sentir a pressão indo para o pé (rs.........). Para vocês terem uma ideia, a minha mão inchou a ponto da aliança não sair mais do meu dedo e eu sentir dor dela apertando o meu dedinho ... A sorte foi encontrarmos pertinho da Torre, uma praça arborizada e uma barraquinha de água e sorvete da Kibon ... ou melhor ... Ola (hehehehehe). Foi a água mais cara da minha vida !!! (3 euros), mas esta com certeza eu paguei com gosto.

A torre é o pequeno pontinho lá em baixooooooooooooo ...

A Torre de Belém é um dos monumentos mais expressivos da cidade de Lisboa. Localiza-se na margem direita do rio Tejo, onde existiu outrora a praia de Belém. Inicialmente cercada pelas águas em todo o seu perímetro, progressivamente foi envolvida pela praia, até se incorporar hoje à terra firme.


Classificada como Patrimônio Mundial pela UNESCO desde 1983, foi eleita como uma das Sete maravilhas de Portugal em 7 de julho de 2007.

“A visita começa pela Casamata. É uma sala arredondada com várias janelinhas, e em cada um destas janelas está colocado um canhão. Estes canhões não atiravam explosivos, e sim bolas de ferro fundido com pólvora.


Depois do terraço, vamos começar a subir ao edifício propriamente dito da torre. Na primeira sala está a cisterna. Um lugar onde se recolhia a água das chuvas para ser utilizada depois. Subindo mais se chega a uma sala conhecida como dos reis, porque era desde sua varanda que os reis costumavam assistir a chegada e a partida dos navios.
 Um lance legal da sacada são as oito aberturas redondas que estão tapadas. São os matacães. Através delas se lançariam pedras ou líquidos quentes no caso de que os inimigos conseguissem entrar na torre. Mas nunca foram utilizados!!!



Da Casamata suba até o Terraço do Baluarte para ter uma vista privilegiada da fachada sul. Busque na fachada os três elementos que caracterizam o estilo manuelino! Neste terraço se encontra uma escultura da Nossa Senhora do Bom Sucesso ou das Uvas, porque segura em uma de suas mãos um cacho de uvas. Ela olha o Tejo, e simbolicamente desejava boa sorte a todos aqueles que partiam às Américas ou às Indias!


Subindo mais, encontramos a Sala das Audiências, e mais ainda, a Sala da Capela e por fim o Terraço da Torre. Se não estiver chovendo aproveite a vista. Desde aqui se vê todos os demais monumentos do bairro.”

Crédito destas informações: Turomaquia








Dicas práticas:

Na bilheteria peça a entrada combinada: torre + mosteiro, que custa 8€, e representa uma economia de 2€ por pessoa. E uma fila a menos no mosteiro!

Horários:

Outubro a Abril das 10:00 às 17:00

Maio a Setembro das 10:00 às 18:30

Da Torre, começamos a caminhar de volta para a Praça do Império e em direção a tão famosa confeitaria Pastéis de Belém !!! Ela fica pertinho do Mosteiro dos Jerônimos e bem em frente a confeitaria, fica a parada do Elétrico 15 que nos levaria de volta a Praça do Comércio.





E assim terminou nosso exaustivo dia. Quer dizer ... quando chegamos no hotel ... descobrimos que ele possuía um SPA (chique né não ???), então coloquei meu biquíni e fui relaxar na piscina com hidromassagem e depois fiz uma sauninha (kkkkkkkkkkkkkk).




Sempre que viajamos, o primeiro dia em qualquer lugar é sempre assim ... a gente chega com aquela vontade enorme de sair conhecendo tudo e se perde no tempo. Com exceção da caminhada Monumento aos Descobridores – Torre de Belém, todo o restante do percurso é super tranquilo e pequeno. Vale a pena ser feito a pé para se admirar melhor as paisagens.

Beijinhos !!!!

3 comentários:

Lynnyx disse...

Que chique essas viagens Maitê...

=*

Cynthia Barreto disse...

Adoro os relatos de viagens que vc faz!! Sempre me encato!

Portugal é linda mesmo, ainda não tive a oportunidade de conhecer e antes de ir lá pretendo ir para Paris... Dicas guardadinhas, obrigada!!

Beijos!

Marta disse...

Ahh que saudades!!!!! Adorei o relato e as fotos.. tudo muito lindo mesmo.. eu sou suspeita.. AMOOOO
Beijos