quarta-feira, 14 de março de 2012

Florença - Parte 1

Hoje começarei a falar um pouco sobre Firenze (Florença) e algumas cidadezinhas da região.

Como nós chegamos a noite na cidade (ok, na época que fomos, dava 17h e o sol já estava se pondo, então, chegar em Florença por volta das 19h já era noite escura e a impressão de “chegamos muito a noite” foi bem grande).

Então ... como já era noite, a única coisa a fazer era se instalar no hotel, tomar um bom banho, trocar de roupa e procurar um restaurantezinho gostoso para comermos.



Caminhar por Florença é bem fácil. A cidade é relativamente pequena, e apesar de ser lotada de ruelas e becos, a parte turística é bem intuitiva, e quase todos os caminhos levam ao Duomo.

O nosso hotel, ficava na Via Nazionale, esquina com a Via dell'Ariento que por sinal, descobrimos ser A rua. Todos os dias funciona uma feirinha a céu aberto que é simplesmente perfeita. Você encontra de tudo um pouco !!!! Roupas, sapatos, artigos de decoração, bonequinhas, quadros e por aí vai. Esta rua acabou sendo a nossa passagem obrigatória de todos os dias, pois de lá, chegamos a praticamente todos os pontos turísticos da cidade.


Nesta Via dell'Ariento, também encontramos o Mercato Centrale que é um dos maiores mercados cobertos da Europa e foi inaugurado em 1874. Desenhado pelo arquitecto italiano Giuseppe Mengoni, mais conhecido pela Galeria Vittorio Emanuele, em Milão, o Mercado Central assemelha-se aos já demolidos Les Halles, de Paris. O Mercato é super colorido e lá se encontra muitas bancas de frutas, verduras, vegetais, pastas (foi lá que comprei 3 grandes sacos de pasta para trazer para casa), limoncello (licor de limão produzido originalmente no sul da Itália), azeitonas,molhos, frutos secos e etc. Uma dica : Procure bem, pois os preços de banca para banca variam muito.






Depois desta “leve” passada no Mercato Centrale, continuamos a andar pela Via dell’Ariento e nos deparamos com a Cappella Médici, ou melhor, Basílica de São Lourenço. Foi construída pela Família Médici durante a Renascença e atualmente compreende duas construções: a Sacristia Nova (concebida por Michelangelo) e a Capella dei Principi (Capela dos Príncipes). É considerada um dos mais importantes prédios religiosos da Toscana. Na cabeceira da nave central estão depositados dois púlpitos de bronze do escultor Donatello (1460), as suas duas últimas obras. Dentro da Basílica, também é possível encontrarmos a cripta onde foi sepultado Come de Médice e mais algumas esculturas de Donatello.





Eu fiquei um pouquinho decepcionada com esta Basílica. Achei que encontraria algo grandioso e fascinante aos olhos, mas não foi bem isto que encontrei. Valeu a visita em termos culturais. (tem que se pagar a entrada)

De lá seguimos em frente pela V. Martelli. De um lado encontramos o Musei di Firenze e como a exposição no dia não me agradava, resolvemos continuar andando ... e em menos de dois minutos chegamos a nada mais nada menos que na maravilhosa Cattedrale Santa Maria Del Fiore.



O Duomo é sem sombra de duvidas uma das igrejas mais bonitas do mundo no que diz respeito ao seu exterior rico em detalhes, completamente coberto por mármores brancos, verdes e rosa, e que demorou 150 anos pra ser construído. E hoje é considerada a 3ª maior Igreja da Europa. Os afrescos são de Vasari e Zuccari e os vitrais são obra de Donatello.

No interior da Catedral você pode visitar o subsolo dela, onde encontrará além de uma lojinha cheia de livros e réplicas da Catedral, você poderá visitar o subsolo da Catedral que possui escavações com as antigas bases da Igreja primitiva paleocristiana e as tumbas dos arquitetos que construíram a Duomo.( eu não fui. Achei bem caro o ingresso. Optamos por subir na cúpula). A cúpula, obra de Brunelleschi é sem sombra de dúvida um espetáculo a parte. estrutura com 91 m de altura, com um diâmetro de 45,5 m, em forma dupla, ou seja, duas cúpulas, uma interna e outra externa com com 463 degraus no interior (como se fosse um sanduíche de degraus) com um peso de aproximadamente 37000 toneladas, composta por mais de 4 milhões de tijolos, a ser montada sem...andaimes.








Além dos belíssimos afrescos, a vista de Florença lá de cima é linda demais !!! Vale a pena a visita.





Bem do lado da catedral, está o Campanilli, a torre do sino, projetado e construído por Giotto (com 82 metros de altura). Caso você não queira subir na Cúpula da Catedral, é possível subir na torre do sino.

Bem em frente a Catedral está o Battistero di San Giovanni, que é a construção mais antiga de Florença, e que batizou Fiorentinos ilustres, como o Dante Allighieri (o interior foi reformado alguns anos depois, e inclui mosaicos com cenas do “Inferno” de Dante (parte da Divina Comédia).




Um dos principais pontos do Battistero é a porta de Bronze, conhecida como “Portão do paraíso, projetado e construído por Lorenzo Ghiberti.


Ao contornarmos a Duomo nos deparamos com o Museo de La Opera Del Duomo (Museu da Catedral) (fica atrás da Catedral). Este Museu contém muitas das esculturas e peças originais que por razões de conservação foram substituídos por cópias na Catedral , o Baptistério e no Campanile. As esculturas mais tradicionais que encontramos neste museu foram : La Piedad Bandini (Michelangelo), Maria Madalena (Donatello) e The Gates of Paradise (Lorenzo Ghiberti). O ingresso custa 6 euros.



Depois deste intenso roteiro, chegou a hora do almoço. Como já tinha comentado nos posts da Espanha, também é possível encontrar os famosos “menus turísticos” em Florença. Porém eles não são tradicionais e consequentemente difíceis de serem achados.

Ao lado do Museo de La Opera Del Duomo, encontramos 3 restaurantes super simpáticos que ofereciam a opção de menu turístico e como bons turistas que já tinham pago vários euros em todas as visitas feitas no dia, optamos por um desses 3 restaurantes. A escolha foi excelente !! Pagamos 9 euros por pessoa e comemos como primeiro prato uma bruschetta com salada verde, como segundo prato uma massa (eu optei por spaguetti e marido por lasanha) e como opção de bebida vinho.


De lá fomos caminhando até a Plaza de la Republica. É uma das maiores praças de Florença e do núcleo da cidade desde os tempos romanos. No centro da praça está a Coluna da Abundância, o coração da cidade.




Em 1871 a praça foi alterada em sua aparência tradicional devido a uma nova organização de planejamento concebido com grandes espaços e avenidas, como foi feito em Paris. A área que antigamente era ocupada pelo Mercado Velho (exceto Coluna da Abundância que é um monumento atual), foi completamente demolida e em seu lugar, foi construída a elegante Praça da República, rodeada de grandes palácios, lojas e o arco triunfal de prestígio cuja lápide está escrito: "O centro da cidade velha de desolação secular restaurado para uma nova vida." Na praça há, ainda hoje, algumas das lojas mais famosas de Florença, como café "Giubbe Rosse" que é o ponto de encontro para escritores e artistas famosos.

Se você estiver na Praça olhando para o Arco Triunfal ... ande para a sua esquerda e após alguns passo, você verá o Mercato Nuevo. Este mercado é formado por várias bancas que vendem roupas, lembranças da cidade, livros, casacos de couro etc. Alí podemos encontrar a famosa escultura do Javali, também conhecido como "La Fontana del Porcellino" uma cópia de bronze da obra de Pietro Tacca feita em mármore em 1612 que hoje se encontra na Galleria degli Uffizi de Firenze. Existe uma lenda que diz que devemos colocar uma moeda na boca do Porcellino e que devemos fazê-la escorregar ate a grade que se encontra abaixo da escultura, próximo dos pés. Diz a tradição, que se a moeda cair na grade, o futuro lhe reservara grande fortuna e sorte. .. e é claro que eu passei a minha mãozinha e coloquei a minha moedinha de euro dentro da boca dele (rs....)



Depois de tentar a sorte no Javali, a nossa próxima parada foi na Gelateria Perche No que foi considerada a segunda melhor sorveteria do MUNDO !!!! E cá entre nós ... que sorvete ... que delícia !!!!




Depois do sorvetinho fomos nos embrenhando pelas ruelas de Florença ... passamos por uma casa que pelo que entendemos já pertenceu a Garibaldi, passamos pela Casa di Dante (que hoje é um Museu) e enfim chegamos a Piazza della Signoria onde encontramos o Palazzo Vecchio, a prefeitura de Florença e antigo Palácio da familia Medici; a Loggia dei Lanzi que são os arcos “abertos” que fica ao lado do palácio e que parece um museu de esculturas sem portas, entre outros prédios e palácios históricos convertidos em hotéis, lojas e restaurantes.





Uma das principais características da Piazza della Signoria são as esculturas. São muitas espalhadas por toda a praça – as mais marcantes são: a réplica da escultura David de Michelangelo (o original esta no museu Academia) e a Fonte de Netuno, com esculturas originais feitas por Bartolomeo Ammannati.








Ao lado da entrada do Palazzo Vecchio está a entrada do museu Palazzo degli Uffizzi, que hoje em dia é um dos principais museus de arte clássica e renascentista da Europa.

O nome do Palácio, significa literalmente “prédio de escritórios”, pois a origem do prédio era servir de “escritório” para o Cosimo I de Medici, em 1560, ou seja, ele queria criar uma edificação para reunir em um só local os treze principais magistrados (chamados ‘’uffizi’’) então espalhados por diversos locais de Florença, onde poderia controlá-los diretamente.

A ‘’Galleria degli Uffize’’ é dividida em salas ou ambientes, cerca de cinqüenta, nomeadas geralmente pelo artista mais importante exposto. Temos salas dedicadas aos maiores artistas do Renascimento, como Leonardo da Vinci e Rafael, salas com arte clássica da Roma antiga, uma grande coleção de quadros de Botticelli com suas incomparáveis ‘’Primavera’’ e ‘’O Nascimento de Venus’’ e obras dos maiores artistas do mundo como Michelangelo, Tiziano, Durer ou Rubens. Se você quiser conhecer bem o Museu ... vá com um sapato bem confortável!!! O Museu é enorme e tem muita, mais muita coisa boa para se ver !!!!

DICA: Há fila em qualquer horário e época do ano para conhecer o mais importante acervo de pinturas renascentistas do mundo, pois as medidas de segurança são bem restritas e os seguranças só deixam entrar cerca de 20 pessoas a cada 15 minutos…

A dica é pagar 4 Euros a mais pra comprar a entrada reservada/preferencial e não ter que enfrentar fila. Foi assim que fizemos e valeu muito a pena.

(http://www.b-ticket.com/b-ticket/uffizi/)

Como neste dia não visitamos o Museu (compramos para outro dia pois já estava tarde), continuamos a caminhar e chegamos a não menos famosa, Ponte Vecchio. A ponte é conhecida por ser uma das mais antigas da Europa e coberta de lojas de jóias. Sim ... só jóias!!!! Marido todo engraçadinho, caminhou pela ponte inteira, parando de lojinha em lojinha procurando um solitário para me dar de presente ... mas ficou só na vontade. Além de peças lindas ... elas são muito, mais muito caras !!!!!!








Como já passavam das 17 horas e começava a escurecer ... começamos a nos encaminhar de volta para o hotel. Mas como falei anteriormente, Florença é recheada de ruelas e nesta “entra em uma, vai para outra” acabamos nos deparando com a Basílica di Santa Croce que é uma das principais basílicas da Igreja Católica no mundo. . É o lugar onde estão enterrados alguns dos mais ilustres italianos, tais como Michelângelo, Galileo Galilei, Maquiavel e Rossini, e assim é apelidada de Panteão das Glórias Italianas. Suas características mais marcantes são as 16 capelas, muitas delas decoradas com afrescos de Giotto e seus alunos e os monumentos funerários.













Vocês não tem idéia de como tem túmulos nesta Basílica !!! Caso vc não queira pisar em “ninguém”, olhe bem para o chão, pois encontramos túmulos nas paredes, nos chãos, nas capelas ... (hehehehehehehehehe).



Bem ... por hoje é só !!!



Beijinhos !!

Nenhum comentário: