quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

O Vaticano

Bom dia meninas !!


Hoje falarei um pouquinho sobre o Vaticano e seus encantos.

Como nos hospedamos em Trastevere, chegar ao Vaticano foi fácil. Pegamos um ônibus (115), saltamos no ponto final e ao atravessarmos um “túnel”, demos de cara com o menor Estado do mundo (0,44 Km2). Para quem for usar o metrô como condução, pegue a linha A e salte na estação Cipro.



O Vaticano é a residência dos Papas desde 1377 e desde 1929, o Vaticano é considerado um Estado independente. Possui serviço postal, moeda, jornal, estação de rádio e um exército formado por guardas suíços

Nossa primeira parada foi na grandiosa Praça de São Pedro, na qual se ergue o maior templo da cristandade : A Basília de São Pedro.

A Praça de São Pedro foi desenhada por Bernini e ao desenhar a “nova” Praça de São Pedro, a ideia do arquiteto foi fazer com que os visitantes se sentissem abraçados ao entrar no local,ou seja a Piazza Obliqua, tem forma de uma elipse rodeada por colunatas (quatro enormes fileiras de altas colunas dóricas) que se abrem como num grande abraço maternal e simbolizam a Igreja Mãe.




No centro da Praça, vc encontra um obelisco de 40 metros de altura datada do século I d.c. O obelisco representa o elo entre a antiguidade e a cristandade, pois acredita-se que as cinzas de César descansam em sua base e um dos pedaços originais da cruz de Jesus Cristo encontra-se escondida no topo. Foram necessários 900 homens para erguer o obelisco.



Como já era esperado e por ser Domingo (dia da missa papal), pegamos uma generosa fila para entrarmos na Basílica. Porém como a fila é apenas para a checagem de bolsas e mochilas, não ficamos nem 20 minutos esperando.

A Basílica foi construída, parcialmente, com projeto de Michelangelo e quando se entra nela ... a primeira sensação é de deixar qualquer um de boca aberta. O espaço é enorme. Até 60.000 pessoas podem entrar ali simultaneamente!! Cheia de simbolismos, artes e história por todos os lados.








Logo na entrada, ao lado direito de quem entra está a escultura “La Pieta”, esculpida por Michelangelo e muito estudada por nós no colégio.



A pia de água benta é amparada por dois cupidos gigantes, datada de 1725 também é um espetáculo a parte.


Na nave central da Basília, você pode notar a Tribuna, quatro Doutores da Igreja que apoiam o Trono de São Pedro, que contém a antiga cadeira de madeira da primeira Basília, identificada pelos historiadores como sendo o trono de Constantino. Por cima, encontra-se um luminoso “olho” redondo representando o Espírito Santo.







Caso você esteja disposta a subir ... visite a cúpula!!!! Você pode subir até lá para desfrutar uma visão incrível de Roma. É preciso pagar uma taxa extra, mas vale o preço.

Caso você se interesse, é possível também visitar as grutas do Vaticano (ingresso: 10 euros), que além de mostrar a estrutura original da antiga Igreja e vários achados arqueológicos, é onde fica a Tombei dei Papi, onde estão as tumbas de todos os antigos papas “modernos” (muitos outros estão dentro da Basilica), incluindo a tumba de João Paulo II.

Se você estiver programando a sua viagem para daqui a alguns meses, você pode agendar um tour secreto pelo Vaticano, ou seja, a Necrópole (“Cidade dos Mortos”).

É lá que está o túmulo original de São Pedro. Em resumo: o último desejo do Papa Pio XI, morto em fevereiro de 1939, foi ser enterrado o mais próximo possível do túmulo de São Pedro. O Papa Pio XII resolveu atender ao pedido de seu antecessor e determinou que algumas escavações fossem feitas porque sempre se soube que a Basílica de São Pedro tinha sido construída onde São Pedro havia sido crucificado, mas não se sabia exatamente onde isso teria ocorrido.

Os escavadores terminaram descobrindo uma necrópole romana dos tempos pagãos bem embaixo da atual Basílica de São Pedro. A escavação continuou em segredo (isso foi durante a II Guerra Mundial e receava-se que se Hitler descobrisse se interessasse pelo lugar) e o túmulo original de São Pedro terminou sendo descoberto.

Em um altar existente nessa necrópole descoberta nas escavações foram encontrados restos mortais que, depois de estudos científicos e religiosos, foram anunciados como sendo os de São Pedro. Os ossos eram de alguém com setenta anos, com marcas de crucificação nos pés (São Pedro foi crucificado de cabeça para baixo, a seu próprio pedido, porque ele que não se sentia digno de ser crucificado da mesma maneira que Jesus Cristo) e que estava enterrado no altar principal de uma igreja, o que seria uma indicaria respeito e relevância.

A Necrópole fica embaixo da Basílica de São Pedro e tem um procedimento bem particular de reserva, já que somente no máximo duzentas pessoas por dia, em turnos de doze pessoas por vez, podem ingressar nela — e nem todos os dias há visitações. A visitação é conhecida como “Scavi Tour”. Na verdade, o procedimento todo é feito de modo a não estimular muito a visitação, talvez para criar um ar de mistério e de dificuldade.

Primeiramente, envia-se um e-mail para o Escritório de Escavações do Vaticano (scavi@fsp.va e uff.scavi@fabricsp.va) informando o número de pessoas que participarão da visita, já com indicação dos respectivos nomes, os dias em que os interessados podem participar da visitação e os idiomas desejados para o tour.

Quanto mais dias e idiomas disponíveis a pessoa tiver, mais chances tem de ser aceita. Como só descobri este tour faltando apenas 1 semana para viajar e apesar de mandar um e-mail, quase que suplicando por uma vaguinha, é claro que não consegui. (o tour custa 12 euros).

Ficou interessado, clique AQUI para obter todas as informações e regrinhas exigidas pelo Vaticano.

Existe muito mais coisa para ser vista na Basílica, mas como falei no primeiro post sobre Roma, aconselho MUITO a compra de um livro ou guia para que você possa ir entendendo toda a história do lugar sem ficar muito perdido, olhando tantas coisas historicamente e culturalmente fascinantes e não saber o que é cada uma delas.

Da Basílica, fomos andando em direção ao Museu do Vaticano. Como era Domingo e o Museu só ficava aberto até às 14 hs (entrada somente até às 12 hs), apreçamos o passo. Porém a fila ... meu Deus ... que fila ... era GIGANTE !!!!!!!!!! Ficamos quase 2 horas em pé !!!! E tudo pelo meu objetivo : Conhecer a Capela Sistina.

Conseguem ver o final da fila ???? Eu também não !!! rs...




Eu confesso, entrei no Museu com um baita mau humor e não gostei do que vi !!! Se você tiver com tempo e paciência, provavelmente a sua visão será diferente da minha. Eu só queria ver a Capela Sistina !!!!! Mas tudo que eu encontrava eram salas, salas e mais salas ... TODAS LOTADAS !!!! Apesar do friozinho em Roma, por causa da multidão de pessoas e a inexistência de ar condicionado no recinto, o calor era quase insuportável e o cheiro idem (imagina como deve ser no verão ?????? Argh). O Museu abriga salas incríveis como o Musei di Antichitá, que contém o maior número de obras clássicas do mundo, o Musei Egizio, com inúmeras peças Egípcias trazidas pelas missões e expansões das feitas pelas Cruzadas da Igreja Católica, e alguns dos apartamentos Papais, como por exemplo a Stanze di Rafaello, que era o apartamento privado do Papa Julio II e foi todo decorado por Rafaello.
















O Museu também é gigante !!!! E depois de muito andar, muito mesmo !!!!!! Chegamos a tão falada, sonhada e estudada Capela Sistina. Construída em 1473, é até hoje uma das áreas mais importantes do complexo do Vaticano, e a sua importância é tão grande, que esta capela é a escolhida para sediar o Conclave Papal, onde os Papas são eleitos.

Como já era esperado, a Capela é LOTADA !!! (mas pelo menos tem ar condicionado). São centenas de pessoas em um empurra empurra “fantástico”. Fiquei 10 minutos lá dentro tentando tirar alguma foto descente, mas infelizmente uma máquina fotográfica não consegue captar a beleza e o fascínio que o lugar desperta.








Saímos do Museu correndo (literalmente). Corremos muito em direção a Praça de São Pedro. Queríamos poder pelo menos acompanhar a benção papal. Depois de chegar na Praça sem fôlego, sem pernas (2 horas para entrar no museu e mais 1 dentro do museu, eu não tinha mais pernas) e suados, cadê o Papa ????? Estava viajando !!!! Nossa, não preciso nem dizer o tamanho da frustração... a minha vontade naquele momento era virar as costas e voltar para o hotel. Mas como sou brasileira e não desisto nunca ... decidi que terei que voltar ao Vaticano !! (rs.....).




Depois do almoço, resolvemos dar uma paradinha para as compras. Por lá é tudo caro !! Me assustei com o preço das coisas (e isto vale para a comida). Para se ter um exemplo, m vidrinho pequenininhozinho com “água benta”, custava 5 euros. O terço feito de rosas 15 euros. Como eu tenho uma vozinha mega católica, tive que gastar alguns bons euros. Mas prefiro nem expressar por aqui o que penso em relação a estes preços.

Depois de mais uma voltinha pela Praça de São Pedro, mais algumas fotos e uma caminhada pela rua principal (Via della Conciliazione), resolvemos seguir rumo ao Castello Sant’Angelo, também conhecido como Mausoléu de Adriano.







A sua primitiva estrutura foi iniciada em 139 pelo imperador Adriano como um mausoléu pessoal e familiar. Em pouco tempo, entretanto, a sua função foi alterada, sendo utilizado como edifício militar. A sua atual designação remonta a 590, durante uma grande epidemia de peste que assolou Roma. Na ocasião, o Papa Gregório I afirmou ter visto o Arcanjo São Miguel sobre o topo do castelo, que embainhava a sua espada, indicando o fim da epidemia. Durante a época medieval esta foi a mais importante das fortalezas pertencentes aos Papas.







Além do castelo aprecie também, a ponte Dei Angeli. Ela é linda !!! Com 12 Anjos de mármore delineando toda a ponte que cruza o rio Tevere.


Ficamos horas passeando pelo Castello. Admirando a sua estrutura, a sua vista perfeita para a Basílica de São Pedro ... e ali permanecemos até o pôr do sol.




Como já estava escuro, aproveitamos que ainda estava cedo (no Outono escure por volta das 17h), resolvemos pegar o metrô e irmos até o Coliseu para ver como estavam os grandes monumentos históricos iluminados durante a noite. Apesar de estar cansada, valeu muito a pena ir até lá. Durante a noite, tudo fica ainda mais belo com a iluminação. Após mais um pouco de caminhada, hora de jantar em Trastevere e me entregar novamente aos travesseiros do hotel (rs............).










Informações importantes:

Horários de funcionamento:

a) Museus do Vaticano e Capela Sistina (16 euros)

Segunda a Sábado das 9h às 18:00h

Domingo: Fechado (com excessão do último Domingo de cada mês com acesso gratuito a partir das 9h. A última entrada é ao meio dia. O Museu fecha as portas às 14h).

b) Castel Sant'Angelo (8,50 euros)

Terça-feira a domingo das 9h às 19:30


*Créditos:
http://www.castelsantangelo.com/
http://www.viajenaviagem.com/
http://www.drieverywhere.com/


2 comentários:

Ursula Andress disse...

Maite que sonho!!! quero vijar de novo! vc faz quantas viagens ao ano???

amei as fotos

www.pinkwomanfashion.com

Carol disse...

Aaaaah amiga!
Quantas fotos lindas! Quanta cultura!
Vc deveria ter um blog só de viagens!!!!!

Beijo!