quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

O casamento na Igreja - por Martha Medeiros

Tem gente que acha careta, tem gente que acha um luxo. A verdade é que ninguém é indiferente a uma cerimônia de casamento realizada na igreja, com direito a tapete vermelho, marcha nupcial, véu e grinalda. A maioria das garotas sonha com esse momento, o de ser entregue ao noivo pelas mãos do pai e de vestido branco, mesmo que essa simbologia tenha perdido o significado. Os futuros cônjuges podem estar dividindo o mesmo teto há meses e até ter um filhinho, quem se importa? A verdade é que casamento na igreja é um rito de passagem, um momento de bênção e de satisfação à família, aos amigos e à sociedade. O amor pode prescindir desse ritual todo, mas um pouco de pompa e circunstância não faz mal a ninguém.

Já que o casal optou pelo sacramento do matrimônio e quer fazê-lo diante de Deus, o mais seguro é não inovar. Nada de entrar na igreja sob os acordes da trilha sonora do Titanic, casar de vermelho e decorar a igreja com cactus. Você não está numa passarela do Dolce & Gabanna, está na capelinha da sua paróquia: Mendelssohn, velas, copos-de-leite e uma boa Ave-Maria na saída, quer coisa mais chique e inatacável?

Se eu tivesse casado na igreja seria a mais convencional das noivas. Só uma coisa eu tentaria mudar, ainda que levasse um sonoro não: o sermão do padre. "Promete ser fiel na alegria e na tristeza, na saúde e na doença, amando-lhe e respeitando-lhe até os fins dos seus dias?" Nossa, não é tempo demais? Bonito, mas dramático. Os noivos saem da igreja com uma argola de ouro no dedo e uma bola de chumbo nos pés. Seria mais alegre e romântico um discurso assim:

Ela: "Prometo nunca sair da cama sem antes dar bom-dia, deixar você ver os jogos de futebol na tevê sem reclamar, ter paciência para ouvir você falar dos problemas do escritório, ter arroz e feijão todo dia no cardápio, acompanhar você nas caminhadas matinais de sábado, deixá-lo em silêncio quando estiver de mau humor, dançar só pra você, fazer massagens quando você estiver cansado, rir das suas piadas, apoiá-lo nas suas decisões e tirar o batom antes ser beijada".

Ele: "Prometo deixar você sentar na janelinha do avião, emprestar aquele blusão que você adora, não reclamar quando você ficar quarenta minutos no telefone com uma amiga, provar a comida tailandesa que você preparou, abrir um champanhe no final de tarde de domingo, assistir junto o capítulo final da novela, ouvir seus argumentos, respeitar sua sensibilidade, não ter vergonha de chorar na sua frente, dividir vitórias e derrotas e passar todos os Natais do seu lado".

Sim, sim, sim!!!

Martha Medeiros

9 comentários:

Priscila disse...

Muito bacana este texto e eu não o conhecia...
Os votos são os melhores e talvez mais sinceros e animador que os originais, rsrrs.

Abraço

Karlinha disse...

Oi, Tetê!!!

Como você sabe, eu casei na Igreja sim...
Há quem ousou dizer: pra que casar na igreja?
E eu respondi!
Como boa católica que sou, casamento pra mim é um sacramento e como eu tenho o Batismo, a Primeira Comunhão, e a Crisma quero ter o sacramento do Matrimônio também mas além disso, creio que o que Deus une o homem não irá separar jamais. Eu sempre quis receber a benção de Deus e para que ela tivesse validade deveria ser feita na Igreja como foi. E outra coisa...
Casamento que não é feito na Igreja, perde totalmente a graça.
Minha opinião, tá? hehehe

Beijinhos, Tetê!!!

O bloguinho está fofo!!! hihihi

Marta disse...

Adorei o texto!
Casei na Igreja e não abria mãe da benção de Deus e do Padre.. acho uma cerimônia linda, cheia de alegria, amor e muita felicidade para todos que estão presentes!
Eu fazia questão de Igreja! Foi tudo maravilhoso!
Beijocas

Anita Campos disse...

adorei!
amarta ésimplesmente demais.

Bom qd eu digo "por todos os dias na nossa vida" penso em NOSSA vida sabe...
enquanto nos amarmos e respeitarmos teremos uma vida em comum, e enquanto oamorexistirnão será o sagrifício ser fiele companheira,porémqd issose quebra não existe mais nossa vida,mais claro que o contexto não é esse, mais eu prefiro pensar assim...

bJÃO

Fabiana disse...

oi!! obrigada pela visita la no meu blog!! :) espero q ele fiquei fofo como o seu ;) bjs!

Mari e Eder disse...

vamos ter cerimonia...mas fora da igreja!
boa sorte nos sorteio...casa de novo pra participar do outro!!!kkk
bj

Sandrinha disse...

Olá amiga!
O texto fez lembrar o casamento de minha filha.
Ela quiz tudo tradicional, e msm q quizesse diferente, a igreja onde ela casou tinha certas regras à respeito de músicas dentre outras coisas.
Penso assim tb, qndo casamos na igreja devemos ter o bom senso com nossas escolhas.
Ainda prefiro as tradicões antigas.
Podemos até inovar um pouquinho, mas nada q fique estravagante e diferente demais.

Vc sabe q a minha filha mandou gravar o dia de seu casamento religioso nas alianças!
Eu falei p/ ela q teriam duas datas para comemorarem, dia 06/02/2011-civil e 02/10/2010- religioso. No q ela logo corrigiu, vou comemorar somente do religioso.
A importância deste último é mto forte e cheias de emoções!

Agora tb acho q a 2ª opção de votos ficariam bem melhores.
Eu faria mais, deixaria os noivos falarem com suas próprias palavras, assim somente ouviríamos a voz q vem do coração,tem uma música com esta parte né...rsrsrs.

Mil Beijinhos!!!

Liliane disse...

Muito bom os votos! Também acho que poderiam se modernizar.
Beijos, Lili

Juliana Galante Magalhães disse...

jÁ SABE NÉ? SOU A MESMA JUJU DE SEMPRE, ETERNA APAIXONADA, CRENTE NO SER HUMANO E NO AMOR... VC ORGANIZA MEU PRÓXIMO CASAMENTO? RS
BEIJOS AMADA